Feeds:
Posts
Comments

Archive for August, 2007

time machine

i need one.

Read Full Post »

diz que sim

Geeks are hot …

… and wear the coolest glasses.

more

Read Full Post »

não percebo a razão pela qual continuo a ter visitas no blog.
ora que isto não passa disto mesmo: lamúrias, devaneios e desbafos que, de tão vagos, apenas raramente alguém os entende.
e a pergunta é inevitável: porque é que eu não mudo a temática, o contexto do texto?
pois que não quero. este blog não tem outro fundamento que não o de servir as ‘coisas da alma’, as minhas coisas.
(…)
por agora é isto. pouco mais me vai na ‘alma’. e o que me vai no pensamento, pronto…são coisas que não sendo da ‘alma’ não podem ser ditas aqui (tenho de arranjar outro pseudónimo para essas, um menos ‘lamechas’)

Read Full Post »

não são minhas

são dos outros as palavras:

mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

(para melhor, ou não.)

Read Full Post »

os indícios

(o mundo conspira.)

é inevitável, vou tirar férias de mim

Read Full Post »

conclusões via msn

deixei o jorge palma, para me juntar à mafalda veiga

Read Full Post »

(sem comentários)

não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)não devia ter (…)

Read Full Post »

down down down

joel: [In the house on the beach] I really should go! I’ve gotta catch my ride.
clementine: So go.
joel: I did. I thought maybe you were a nut… but you were exciting.
clementine: I wish you had stayed.
joel: I wish I had stayed to. NOW I wish I had stayed. I wish I had done a lot of things. I wish I had… I wish I had stayed. I do.
clementine: Well I came back downstairs and you were gone!
joel: I walked out, I walked out the door!
clementine: Why?
joel: I don’t know. I felt like I was a scared little kid, I was like… it was above my head, I don’t know.
clementine: You were scared?
joel: Yeah. I thought you knew that about me. I ran back to the bonfire, trying to outrun my humiliation.
clementine: Was it something I said?
joel: Yeah, you said “so go.” With such disdain, you know?
clementine: Oh, I’m sorry.
joel: It’s okay.
[Walking Out]
clementine: Joely? What if you stayed this time?
joel: I walked out the door. There’s no memory left.
clementine: Come back and make up a good-bye at least. Let’s pretend we had one.
[Joel comes back]
clementine: Bye Joel.
joel: I love you…
clementine: Meet me… in Montauk…

Read Full Post »

untitled things

‘O que nós queremos do amor e o que os outros querem do nosso amor é que ele nos agarre pela mão e nos diga: «Anda, eu sou a solução para todos os teus problemas.» Quando nos dirigimos a um amigo ou a alguém da nossa confiança e dizemos «Estou apaixonado.» – assim, tão afirmativamente -, não é comum que nos perguntem o essencial sobre o nosso amor. Perguntam-nos que coisas faz na vida, se é bonito, se é um bom partido, se é bom na cama, que idade tem, se já coleccionou outras pessoas antes de entrarmos na sua caderneta ou, em última análise, se gostamos dele – a pergunta que fazem sempre os amigos mais verdadeiros. Nunca nos perguntam: «E ouve lá, isso é publicável?», que é o mesmo que perguntar se o nosso amor tem literatura suficiente para chegar a ser livro. Não me parece que «Sim.» seja a resposta ideal. Raramente a literatura tem algo de insondável e, mais importante do que isto, aquilo que há de insondável na literatura compete com a nossa vontade de a explicarmos. O verdadeiro amor é, pois, aquele que não é publicável, que não é amor-narrativa, o amor sem espaço, sem tempo, sem demasiada acção ou demasiado enredo. É, quem sabe, o amor que, quando acaba, não nos deixa nada para além dele mesmo, ou seja, é o amor que não acaba.’

palavras perdidas por

Read Full Post »

teoria da conspiração II

depois de estar ausente todo o fim-de-semana e de ter deixado o meu carrinho em lx (e bem estacionado), dirijo-me ao dito logo pela manhã e vejo um papel preso na escova do limpa-pára-brisas.

era um papelinho da divisão de trânsito da PSP a dizer qualquer coisa como ‘o veículo com a matrícula xx esteve envolvido num sinistro…’

há lá coisa melhor do que isto para começar uma semana?

(do mal o menos)

Read Full Post »

Older Posts »